quarta-feira, 23 de julho de 2008

NE2008 Jundiai - Guaxupé

Na sexta feira, estava na duvida se valia a pena tentar ir para Brasília, pois o tempo estava seco azul, com inversão claramente delineada. Dass conversas com a Josélia (Rádio Eldorado) consegui extrair que continuaria seco, meio estável, mas voável. Para completar, em Jundiaí soprava um vento NW meio estranho. Paolo no APP ainda me ajudou dar uma calibrada no pneu principal que estava muiiito baixo. Aí decidi decolar de toda forma, toda minha roupa, mantimentos, gasolina nos tanque das asas com 7litro em cada lado, tudo pronto !!!

Resultado foi que aos poucos consegui ir voando para Sul de MG, inicialmente na proa de Bragança para sair da TMA São Paulo. Mas sempre com muito cuidado, pois era um dia azul, com poucas térmicas, e forte inversão. Mais de 30 dias sem chuva na região, típico do inverno paulista, nem mesmo as frentes frias ultimamente conseguiram vencer o sistema de alta pressão em cima do SE Brasileiro.

Na serra voei muito baixo, sempre entre 300 e 600m agl, não muito mais que isso, mas o vento de 20km/h em média, ajudava a disparar as térmicas na encostas das colinas, então cautelosamente consegui avançar rumo a Passos (MG) meu objetivo do dia.

Voando Colina, fiquei muito baixo, proximo a Serra Negra, realmente voei com urubus a 250m do chão, encostado num morro, embaixo as fazendas de café, região montanhosa cheia de fazendas antigas de café.
Deste morro que aos poucos consegui subir
Este trecho é cheio de eucalyptos ou ...

Ao lado de São João da Boa Vista, novamente vi caminhões na estrada mais alto do que eu, humilhante até um certo ponto, por outro lado feliz por ter o privilégio de voar e conseguir subir novamente, estava no cone de um arado mais para o lado do vale

Um comentário:

Sergio disse...

Thomas,

300m AGL é a altitude que coloco o ego na sacola e aciono...parabéns pelo sangue frio!