sábado, 19 de julho de 2014

Chelan Prova #7 Final

Como no ultimo dia existe o compromisso de emitir os resultados rapidamente, além de ter os pilotos resgatados para a festa de encerramento, a comissão de provas resolveu bolar uma prova em formato de estrela, claro que a prova não poderia ser curta, então novamente 90km.   Mas esqueceram de avisar a meteorologia, com cobertura alta, o início das decolagens foi sendo atrasado, então quando finalmente decolamos foi uma corrida contra o relógio, pois mantiveram o tamanho da prova.  Era um dia com grande desafio, pois sabia que a probabilidade de eu chegar não era muito grande... Na média apenas ½ dúzia de pilotos da classe SPORT fez goal durante o campeonato e pela grande diferença de velocidade muitas vezes não computava pontos, pois a velocidade sempre é tirada das velas classe Open, eu acho que a pontuação da SPORT deveria ser independente, pois assim teríamos os pontos de velocidade de forma mais equilibrada.

Look em voo, com calor, pois a jaqueta verde era aberta e fechada conforme a temperatura externa, pois o voo variava de 2000m a 4000m msl 

Novamente não consegui chegar a tempo na largada, então pacientemente subi até a base, saindo uns 15minutos depois do primeiro pelotão.  Pelo menos meu voo foi alto, mas bem mais lento que o desejável.  O formato de estrela significou vários idas e voltas, com parapentes por todo lado, afinal havia muita gente no ar.  O planeio final foi interessante, pois coloquei 800m de reserva 9km, mas tudo isso diminuiu para apenas 300m... quando estava na borda “dos flats” já avistando o rio columbia, mas com a passagem de um Icepeak7 (alta performance) por baixo, tive um pouco mais de sinalização do ar a minha frente.  Com o forte sol ainda esquentando a encosta ao lado do rio, tudo começou a sustentar bem, e cheguei com bastante folga no “Campo de Futebol” que era o objetivo do dia, o pouso oficial de Chelan com seu incrível gramado.  

No ultimo 1/3 do voo um problema técnico, olho para a direita e vejo o tirante rompido


Fui um dos últimos a chegar, apesar de ter ficado em 5 lugar na SPORT, foi um resultado meio fraco, pois o primeiro colocado da classe Sport, Dustin (Gin Carrera), fez a prova em 3h10m, e eu levei “apenas” 1 hora a mais para fazer o mesmo percurso !!!  Verdade que o rompimento do tirante que me deixou tenso.  Não percebi quando aconteceu, e sim visualmente quando vi algo diferente do lado direito... Claro que olhei o outro lado, para verificar o que iria implicar no voo, e tomei a decisão de continuar o voo, pois era a ligação das linhas B/Cs+acelerador, não pretendia efetuar acrobacias, e o dia já estava bem calmo, sem solavancos de térmicas fortes. 

Ter parado de usar o acelerador e o contra vento deixaram meu voo um pouco mais lento. Ainda mais por isso, fiquei ULTRA feliz de ter conseguido chegar no Goal, mesmo que sendo um dos ultimos a chegar, no final ainda fiquei em #5 na SPORT.

Com este vôo fechei o campeonato com vários goals e resultado acima das minhas expectativas.

Icepeak que tinha me ultrapassado por baixo, mostrando o ar na frente... 

Vento estava calmo em cima do rio, mas o sol aquecia bem a encosta, então consegui manter meus 300m de reserva para o pouso no soccer field 





Obs.: entrei em contato com Skywalk Brasil, com a resposta que devo enviar a vela ao RJ para que seja feita avaliação do rompimento do tirante, que não é um caso normal.  Lição ficou para sempre checar os tirantes antes de cada voo, não apenas as linhas com fazia até então.

Um comentário:

Jefferson Gomes disse...

show ....bons voos